Biorremediação de efluentes industriais

As tecnologias empregadas hoje no tratamento de resíduos têxteis, não são capazes de remover a totalidade dos corantes e ainda resultam em problemas relacionados com o acúmulo de lodo. Além disso, como não há inoculação de microrganismos, a degradação ocorre de forma não controlada nas estações de tratamento, onde a eficiência do processo pode ser controversa. Os tratamentos tradicionais de águas originadas de resíduos têxteis, tais como a coagulação química, a separação por membrana, como ultra-filtração e osmose reversa, ou a absorção por carvão ativado somente promovem a transferência de fase do poluente. Além disso, tratamentos biológicos como lodo ativado, são consideradas soluções insatisfatórias para esses efluentes, devido ao elevado conteúdo de corantes, agentes tenso-ativos e outros aditivos, que geralmente são compostos orgânicos de estrutura complexa e que provocam resistência à degradação. Portanto, é necessário o desenvolvimento de tecnologia para a biodegradação eficiente e segura dos corantes têxteis. Neste sentido, os trabalhos envolvem desenvolver processos utilizando inóculos de cultura pura, ou consórcio de microrganismos com capacidade de biodegradação de um amplo espectro de azo- corantes.